Guerra na Ucrânia completa 100 dias com 14 milhões de deslocados

ONU diz que é maior crise de refugiados na Europa Por RTP* – Kiev Há precisamente 100 dias, em 24 de fevereiro, tropas russas invadiram a Ucrânia. Mais de 14 milhões de pessoas estão deslocadas. Para a Organização das Nações Unidas (ONU), é a maior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. A ONU confirmou … Leia Mais


Tabaco contribui para maioria da poluição dos plásticos no planeta

Relatório é da Organização Mundial da Saúde Por RTP* – Genebra Relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgado às vésperas do Dia Mundial Sem Tabaco, comemorado em 31 de maio, mostra que os prejuízos da indústria do tabaco no meio ambiente são vastos e crescentes, aumentando a pressão sobre os recursos já escassos e os frágeis ecossistemas do planeta. … Leia Mais


OMS diz que surto de varíola dos macacos pode ser contido

Organização confirma 131 casos fora da África Por Jennifer Rigby e Mrinalika Roy – Repórteres da Reuters – Genebra A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou hoje (24) que havia 131 casos confirmados de varíola dos macacos e 106 outros casos suspeitos, desde que o primeiro foi relatado em 7 de maio fora dos países … Leia Mais


OMS espera que mais casos de varíola dos macados surjam globalmente

Até ontem 92 casos foram confirmados em estados-membros da OMS Por Jennifer Rigby – Repórter da Reuters* – Londres A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que espera identificar mais casos de varíola dos macacos na medida em que expande a vigilância em países onde a doença normalmente não é encontrada. Até sábado (21), 92 … Leia Mais


Papa canoniza dez santos, incluindo padre holandês morto por nazistas

Cerimônia contou com mais de 50 mil pessoas na Praça de São Pedro Por Philip Pullella – Repórter da Reuters* – Cidade do Vaticano O papa Francisco canonizou neste domingo dez novos santos da Igreja Católica Romana, incluindo um padre holandês antinazista assassinado no campo de concentração de Dachau e um monge eremita francês assassinado na Argélia. … Leia Mais


Rússia diz que todas as áreas urbanas de Mariupol estão tomadas


Não houve reação imediata de Kiev à declaração do ministério russo

Por David Ljunggren – Repórter da Reuters – MARIUPOL

O Ministério da Defesa russo anunciou neste sábado (16) que liberou toda a área urbana de Mariupol das forças ucranianas e disse que apenas alguns combatentes permanecem na siderúrgica Azovstal, palco de vários confrontos.

Em uma publicação online, o ministério disse que até 16 de abril as forças ucranianas na cidade portuária sitiada haviam perdido mais de 4 mil pessoas.

Os combatentes russos tentam há várias semanas tomar o porto, que fica no Mar de Azov, a nordeste do Mar Negro.

“Toda a área urbana de Mariupol foi completamente liberada… os remanescentes do grupo ucraniano estão completamente bloqueados no território da usina metalúrgica Azovstal”, disse o ministério.

“A única chance de eles salvarem suas vidas é abaixar voluntariamente suas armas e se render.”

Não houve reação imediata de Kiev à declaração do ministério russo, que também disse que 1.464 militares ucranianos se renderam até agora.

 


Papa chama guerra na Ucrânia de “abuso perverso de poder”


Ele se referiu ao conflito como “agressão armada inaceitável”

Por Philip Pullella – Repórter da Reuters* – Cidade do Vaticano

O papa Francisco intensificou críticas implícitas à Rússia e chamou a guerra na Ucrânia de “abuso perverso de poder”, realizado por interesses sectários que condenam pessoas indefesas à violência.

O papa não citou a Rússia em suas condenações, mas usou frases como “agressão armada inaceitável” para expressar seu ponto de vista. Nesta sexta-feira, ele falou em “povo defendendo sua terra” e escapando de bombardeios.

“A tragédia da guerra, que está ocorrendo no coração da Europa, tem nos deixado atordoados”, disse Francisco, acrescentando que poucas pessoas imaginariam cenas semelhantes às duas guerras mundiais do século 20.

Sua mais recente condenação veio em mensagem para uma conferência da Igreja Católica em Bratislava, capital da Eslováquia, país que faz fronteira com a Ucrânia e que abriu suas portas a refugiados.

“Mais uma vez, a humanidade é ameaçada por abuso perverso de poder e interesses sectários, que condenam pessoas indefesas a sofrer toda forma de violência brutal”, disse.

“O sangue e as lágrimas das crianças, o sofrimento de mulheres e homens que defendem suas terras ou fogem dos bombardeios abalam nossa consciência”, afirmou o papa.

Moscou chama a ação de “operação militar especial” projetada não para ocupar território, mas para desmilitarizar e “desnazificar” o país vizinho.

Francisco rejeitou esse termo, dizendo anteriormente que não poderia ser considerada “apenas operação militar”, mas uma guerra que desencadeou “rios de sangue e lágrimas”.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.


Alemanha tem novo recorde de infecções por covid-19


Pela primeira vez número de infecções ultrapassou 1,6 mil

Por RTP* – Berlim

RTP - Rádio e Televisão de Portugal

A Alemanha voltou a registrar novo recorde consecutivo da incidência de covid-19 e ultrapassou hoje, pela primeira vez, as 1,6 mil infecções, enquanto o Parlamento debate hoje projeto para modificar a lei sobre proteção de doenças infecciosas.

A incidência acumulada é de 1,6 mil novas infecções por 100 mil habitantes em sete dias, após 1.58 mil novos contágios nessa terça-feira, 1.319 há uma semana e 1.401 há um mês, segundo dados atualizados pelo Instituto Robert Koch (RKI).

As autoridades de saúde alemãs relataram 262,59 mil novos casos positivos e 269 mortes nas últimas 24 horas. Há uma semana foram notificadas 215,85 mil novas infecções e 314 óbitos, enquanto os casos ativos são estimados em cerca de 3,63 milhões.

Enquanto isso, o Bundestag (a Câmara dos Deputados) debate hoje o projeto de modificação da lei de proteção contra doenças infecciosas, apresentado pelo governo de coligação entre sociais-democratas, verdes e liberais, que deve substituir a base legal atual que expira no próximo sábado (19).

O projeto de lei contempla assim, a partir de domingo (20), a flexibilização da maioria das restrições para conter a pandemia de covid-19 e mantém apenas medidas básicas de proteção, como o uso de máscara em hospitais, centros de assistência, transporte público, centros com grupos vulneráveis e escolas.

Em caso de surto localizado, restrições mais amplas podem ser aplicadas, como uso generalizado de máscaras, regras de distanciamento, testagem e certificado de vacinação contra a covid-19.

No entanto, considerando o avanço da sexta onda da pandemia de covid-19, a maioria dos estados federais quer manter as medidas de proteção, pelo menos até 2 de abril, quando termina o período de transição estabelecido pelas autoridades.

Cerca de 76,5% da população (63,6 milhões de pessoas) já foram vacinadas até essa terça-feira, 75,8% (63 milhões) com o esquema vacinal completo e 58,0% (48,2 milhões) com a a dose de reforço.

A covid-19 provocou mais de 6 milhões de mortes no mundo desde o início da pandemia.

A doença é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no fim de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China. A variante Ômicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi encontrada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.


Ucrânia: Facebook abre porta a conteúdos violentos contra o Kremlin


E avisa: violência contra civis russos não será permitida

Por RTP* – Kiev

RTP - Rádio e Televisão de Portugal

A Meta, proprietária das redes sociais Facebook e Instagram, vai permitir a usuários de alguns países que apelem à violência contra o presidente Vladimir Putin e as tropas russas. No entanto, frisa que não permitirá violência contra civis russos.

Nos últimos dias, várias publicações usaram expressões como “morte aos invasores russos”, um apelo que normalmente violaria as regras da Meta.Em resposta, a Rússia apelou aos Estados Unidos (EUA) para que parem com “atividades extremistas”.

“À luz da invasão russa em curso na Ucrânia, fizemos uma exceção temporária para as pessoas afetadas pela guerra, expressarem sentimentos violentos contra as Forças Armadas invasoras”, disse um porta-voz da Meta.

O anúncio da proprietária do Facebook e Instagram surge depois de a agência Reuters ter informado que teve acesso a e-mails internos delineando a mudança de estratégia.

Como parte da nova política, utilizadores das redes sociais de países como a Ucrânia, Rússia e Polônia poderão também apelar à morte de Vladimir Putin e do presidente Alexander Lukashenko, da Bielorrússia.

As mensagens de apelo à morte dos líderes serão permitidas, a menos que contenham outros alvos, ou incluam um local ou métodos.

Os apelos à violência contra russos são também permitidos quando a publicação fizer claramente referência à “invasão da Ucrânia”.

Atividades extremistas

A embaixada da Rússia em Washington reagiu e, no Twitter, acusou a Meta de atividades extremistas.

“Exigimos que as autoridades norte-americanas ponham termo às atividades extremistas da Meta e tomem medidas para levar os responsáveis à Justiça”.

“Os utilizadores do Facebook e Instagram não deram aos proprietários dessas plataformas o direito de determinar critérios de verdade e colocar umas nações contra as outras”, acrescentou.

Na passada semana, Moscou anunciou que estava bloqueando o Facebook e suas plataformas, citando 26 casos de “discriminação” contra os órgãos de comunicação social russos desde outubro de 2020.

Apesar do acesso ao Facebook já ter sido restringido na Rússia, não estava completamente indisponível.

Moscou reprimiu várias plataformas de meios de comunicação social, enquanto prossegue com o que chama de “operação especial” na Ucrânia.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.


Preços do petróleo sobem e atingem níveis de 14 anos atrás


Possibilidade de proibição de compra do produto russo elevou cotações

Por Shariq Khan e Stephanie Kelly – Repórteres da Reuters* – Bengaluru (Índia)

Os preços do petróleo alcançaram nesta segunda-feira (7) os níveis mais altos desde 2008, com os Estados Unidos (EUA) e aliados europeus considerando proibir as importações de petróleo russo, enquanto parecia menos provável que o petróleo iraniano retornasse rapidamente aos mercados globais.

O petróleo Brent subiu US$ 5,1, ou 4,3%, para fechar em US$ 123,21 o barril, e o dos EUA (WTI) avançou |US$ 3,72, ou 3,2%, encerrando o dia em US$ 119,40 o barril. Durante a sessão, ambos os benchmarks atingiram o nível mais alto desde julho de 2008, com o Brent chegando a US$ 139,13 por barril e o WTI, a US$ 130,5.

“A visão maior é que as interrupções no fornecimento estão piorando”, disse, em Houston (EUA), o presidente da Lipow Oil Associates, Andrew Lipow. “Ninguém quer tocar em nada relacionado à Rússia.”

Os preços globais do petróleo aumentaram cerca de 60% desde o início de 2022, levantando preocupações sobre o crescimento econômico global e a estagflação. A China, segunda economia do mundo, tem como meta um crescimento mais lento de 5,5% neste ano.

No domingo (6), o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que seu país e aliados europeus estavam explorando a proibição de importações de petróleo russo. A Casa Branca disse nesta segunda-feira (7) que o presidente Joe Biden não tomou uma decisão sobre a proibição das importações de petróleo russo.

Os preços do petróleo podem subir para mais de US$ 300 por barril se os Estados Unidos e a União Europeia proibirem as importações de petróleo da Rússia, disse hoje o vice-primeiro-ministro Alexander Novak.

A Rússia é o maior exportador mundial de petróleo e derivados combinados, com exportações de cerca de 7 milhões de barris por dia, ou 7% da oferta global. Alguns volumes das exportações de petróleo do Cazaquistão dos portos russos também enfrentaram complicações.

Enquanto isso, as negociações para retornar com o acordo nuclear de 2015 do Irã com as potências mundiais estavam envolvidas em incertezas depois que a Rússia exigiu garantia dos EUA de que as sanções que enfrenta pelo conflito na Ucrânia não prejudicariam seu comércio com Teerã. A China também levantou novas demandas, disseram fontes.

*É proibida a reprodução deste conteúdo.