Maria Bethânia é eleita imortal na Academia de Letras da Bahia

Com uma longa e exitosa carreira na música, Maria Bethânia será a oitava mulher em uma das 40 cadeiras da Academia Foto: Jorge Bispo/Divulgação Por: Geovana Oliveira A cantora Maria Bethânia foi eleita nesta segunda-feira (11) para ocupar a Cadeira 18 da Academia de Letras da Bahia. A nova acadêmica será eternizada como a 5ª titular da … Leia Mais


Rui Costa libera presença de público nos estádios limitado a 30% da capacidade

Detalhes do protocolo serão publicados neste sábado no Diário Oficial do Estado Foto: Jazmin Del Cid Fotografía Por: Metro1 Rui Costa anunciou na noite desta sexta-feira o retorno do público aos estádios de futebol. Os detalhes dos protocolos serão divulgados no Diário Oficial do Estado deste sábado (09). O governador adiantou que o público será limitado a … Leia Mais


Bahia registra 386 novos casos de Covid-19 e mais 5 óbitos pela doença

Por: Sesab Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 386 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,03%) e 339 recuperados (+0,03%). O boletim epidemiológico desta quinta-feira (7) também registra 5 óbitos. Dos 1.236.390 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.206.941 já são considerados recuperados, 2.548 encontram-se ativos e 26.901 tiveram óbito confirmado. … Leia Mais



Secretaria da Saúde da Bahia propõe otimizar recursos e equipamentos para ampliar assistência

Por: Sesab Com o objetivo de ampliar a assistência à saúde a partir da otimização dos equipamentos e recursos públicos já disponíveis, as secretarias estaduais da Saúde (Sesab) e Relações Institucionais (Serin) se reuniram nesta terça-feira (5), com 22 prefeitos do Consórcio Interfederativo de Saúde do Alto Sertão, em Guanambi. “A nossa proposta é vocacionar o Hospital … Leia Mais


Bahia registra 353 novos casos de Covid-19 e mais 5 óbitos pela doença


 

Por: Sesab

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 353 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,03%) e 451 recuperados (+0,04%). O boletim epidemiológico desta terça-feira (5) também registra 5 óbitos. Dos 1.235.722 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.206.334 já são considerados recuperados, 2.502 encontram-se ativos e 26.886 tiveram óbito confirmado. Os dados ainda podem sofrer alterações devido a instabilidade do sistema do Ministério da Saúde. A base ministerial tem, eventualmente, disponibilizado informações inconsistentes ou incompletas.

boletim epidemiológico contabiliza ainda 1.548.463 casos descartados e 239.599 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta terça-feira. Na Bahia, 52.090 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Vacinação
Com 10.187.316 vacinados contra o coronavírus (Covid-19) com a primeira dose ou dose única, a Bahia já vacinou 80% da população com 12 anos ou mais, estimada em 12.732.254. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) realiza o contato diário com as equipes de cada município a fim de aferir o quantitativo de doses aplicadas e disponibiliza as informações detalhadas.


Conselho Estadual de Comunicação Social do Estado toma posse para biênio 2020/2022


 

Os novos membros do Conselho Estadual de Comunicação Social do Estado da Bahia para o mandato que compreende o biênio 2020/2022 foram empossados, nesta terça-feira (5), num evento realizado por videoconferência, que contou com a presença de representantes da sociedade civil, segmentos da comunicação no Estado e do Secretário de Comunicação (Secom) e presidente do Conselho, André Curvello.

 

Para o secretário da Secom, a renovação do Conselho dá continuidade à fase de aprimoramento do Plano Estadual de Comunicação Social, aprovado em outubro de 2020, que tem entre seus objetivos normatizar e orientar todas as ações nas diversas frentes da comunicação. “O plano foi aprovado pelo conselho, que é formado por representantes de diversos segmentos da sociedade, o que lhe confere credibilidade democrática. Estamos seguindo as orientações do Tribunal de Contas para continuar desenvolvendo essa, que é uma iniciativa inédita no Brasil, fruto de amplo debate entre Governo do Estado e diferentes setores, e que coloca a Bahia novamente numa posição de vanguarda”.

O Conselho de Comunicação Social do Estado foi regulamentado em maio de 2011 e teve o regimento interno aprovado em março de 2012. A Bahia é pioneira na criação do órgão, previsto na Constituição Federal de 1988, e também nas constituições estaduais.

De caráter consultivo e deliberativo, o Conselho é integrado por 27 membros, sendo sete do poder público e 20 da sociedade civil. Entre as funções do órgão, estão a proposição de medidas para o aperfeiçoamento da Política Estadual de Comunicação Social, a atuação em defesa dos direitos da sociedade baiana ligados ao segmento e a articulação de ações para que a distribuição das verbas publicitárias do Estado seja baseada em critérios técnicos de audiência e garanta a diversidade e pluralidade.

Para o biênio 2020/2022 o conselho é formado por representantes do Governo do Estado, da Universidade Federal da Bahia (Ufba), de agências de publicidade e veículos de comunicação, de entidades de classe e de movimentos sociais ligados à comunicação comunitária. A nova gestão foi escolhida no dia 15 de julho de 2021, com votação realizada no auditório da Casa Civil, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), com mais de 30 entidades habilitadas à eleição.

Confira abaixo a lista dos novos conselheiros:

Presidente – André Nascimento Curvello
Suplente – Luciano Márcio Nascimento Suedde
REPRESENTANTES DO GOVERNO DO ESTADO
SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

Conselheiro titular: Jaime Fernandes Dourado
Conselheiro suplente: Noé Américo Mascarenhas Neto
SECRETARIA DE CULTURA

Conselheiro titular: Fidelis Tavares de Melo
Conselheira suplente: Cristiane Taquari Silva

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Conselheira titular: Cláudia Oliveira dos Santos
Conselheira suplente: Suami Dias de Carvalho

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Conselheiro titular: Erick Patrik Aragão Issa
Conselheira suplente:  Tahis Teixeira de Matos
SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL

Conselheira titular: Patrícia Maia Santos Gazzinelli
Conselheiro suplente: Ítalo Oliveira de Jesus
INSTITUTO DE RADIODIFUSÃO EDUCATIVA DA BAHIA – IRDEB

Conselheiro titular: Flávio Silva Gonçalves
Conselheira suplente: Camila Vieira da Silva
REPRESENTANTE DE ENTIDADE PROFISSIONAL DE CLASSE
CENTRAL DE TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO BRASIL (CTB)

Conselheiro titular: Emanoel Souza de Jesus
Conselheira suplente: Maria Rosa Silva de Souza
REPRESENTANTE DO SEGMENTO DE TELEVISÃO ABERTA E POR ASSINATURA COMERCIAL
TV RECORD BAHIA

ConselheiroTitular: Alex Gonzales de Oliveira
REPRESENTANTE DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS COM ATUAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA

Universidade Federal da Bahia/Faculdade de Comunicação

Conselheira titular: Suzana Oliveira Barbosa
Conselheiro suplente: Washington José de Souza Filho
REPRESENTANTE DO SEGMENTO DE RÁDIO COMERCIAL
AURA REPRESENTAÇÕES E SERVIÇOS LTDA

Conselheiro titular: Caio Júlio César de Castro Neves da Silveira
Conselheiro suplente: César Augusto Neves da Silveira

REPRESENTANTE DAS EMPRESAS DE JORNAIS E REVISTAS
JORNAL TRIBUNA DA BAHIA

Conselheiro titular: Ricardo Amâncio Paiva
REPRESENTANTE DAS EMPRESAS DE MÍDIA EXTERIOR

Conselheira titular: Marluce Barbosa de Jesus
Conselheiro suplente: José Alves Costa Filho

REPRESENTANTE DAS PRODUTORAS DE AUDIOVISUAL OU SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO
XC FILMES

Conselheiro titular: Adrianno Moraes Santana
Conselheiro suplente: Adriano Luz Ribeiro

REPRESENTANTE DO MOVIMENTO DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA
ASSOCIAÇÃO BAIANA DE RADIODIFUSÃO COMUNITÁRIA

Conselheira titular: Mônica Sacramento de Souza
Conselheiro suplente: José Hamilton Vicente de Oliveira
REPRESENTANTE DAS ENTIDADES DE CLASSE DOS TRABALHADORES DO SEGMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL
SINDICATO DOS TRABALHADORES EM RÁDIO, TV E PUBLICIDADE (SINTERP)

Conselheiro titular: Everaldo Santos Monteiro

REPRESENTANTE DOS VEÍCULOS COMUNITÁRIOS OU ALTERNATIVOS
FILHOS DO MUNDO / CANAL DA CIDADANIA DE SALVADOR / TV KIRIMURÊ

Conselheira titular: Edvaldina Lopes Calmon (Dina Lopes)
Conselheiro suplente: Vasco Zugno Aguzzoli

REPRESENTANTES DAS ORGANIZAÇÕES NÃO-GOVERNAMENTAIS  OU ENTIDADES SOCIAIS VINCULADAS À COMUNICAÇÃO
CENTRO DE ESTUDOS DA MÍDIA ALTERNATIVA BARÃO DE ITARARÉ

Conselheiro titular: Fernando César Costa da Silva
Conselheira suplente: Nágila Maria Azevedo Rocha

ORGANIZAÇÃO AMBIENTAL E CULTURAL DE CAJAZEIRAS

Conselheiro titular: Kilson Santana de Melo
Conselheiro suplente: André Luis Reis D’Alcântara Junior

REPRESENTANTE DOS MOVIMENTOS SOCIAIS DE COMUNICAÇÃO
FÓRUM NACIONAL PELA DEMOCRATIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO (FNDC)

Conselheiro titular: Jonicael Cedraz de Oliveira
Conselheiro suplente: José Batista dos Santos
REPRESENTANTES DE ENTIDADES DE MOVIMENTOS SOCIAIS ORGANIZADOS
SINDICATO DOS BANCÁRIOS DA BAHIA

Conselheiro titular: Adelmo de Assis Andrade
Conselheiro suplente: Ronaldo Luiz Santos Ornelas

SINDICATO DOS TRABALHADORES EM SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA

Conselheiro titular: Jelber Silva Cedraz
Conselheira suplente: Ivanilda Souza de Brito

UNIÃO DOS ESTUDANTES DA BAHIA

Conselheira titular: Layane Clara Cotrim Araujo
Conselheira suplente: Giovana Pires Frois

 

REPRESENTANTE DE ENTIDADES DE JORNALISMO DIGITAL
SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DO ESTADO DA BAHIA BAHIA (SINJORBA)

Conselheiro titular: Moacy Carlos Almeida Neves
Conselheira suplente: Fernanda Regina Venâncio Gama


Oeste baiano é palco de disputas, trabalho análogo à escravidão e grilagem de terra


Em carta aberta, 56 associações pedem ao governo estadual que interrompa desmatamento de área maior que Recife

Por: Marcela Villar

Em carta aberta ao governo do estado, 56 associações de geraizeiros – descendentes de indígenas e quilombolas que moram no Cerrado – da cidade de Formosa do Rio Preto, no oeste da Bahia, pedem socorro às autoridades baianas pelo desmatamento de terra na região. Elas solicitam a revogação da autorização dada à empresa Agronegócio Condomínio Cachoeira do Estrondo, conhecida como Fazenda Estrondo, em 22 de maio de 2019, que legaliza o desmatamento no local.

Segundo o documento, a Fazenda Estrondo nunca conseguiu demonstrar a regularidade fundiária de sua posse e está, ilegalmente, na Reserva Legal dos territórios tradicionais dos geraizeiros, que vivem de forma sustentável do Cerrado. O próprio Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu, novamente, em junho de 2021, após vários recursos, que os geraizeiros são os donos daquela terra. Porém, a Estrondo segue na área com seguranças armados, que já balearam três pessoas da comunidade.

A carta ainda aponta que a empresa pretende desmatar mais de 24 mil hectares de terra, área maior que a cidade do Recife, capital de Pernambuco. Pelas imagens obtidas da Plataforma MapBiomas, 3 mil hectares já foram desmatados, até o dia 17 de agosto de 2021. A Fazenda Estrondo é tida como um dos maiores casos de grilagem verde do Brasil, segundo o Livro Branco da Grilagem de Terras do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em 1999, com 444.306 hectares registrados. A ocupação das terras data do final do governo militar, em 1982.

As associações exigem que o Inema revogue as Autorizações de Supressão de Vegetação (ASV) dada à empresa e que o Instutito realize, com urgência, uma visita in loco, para registrar e averiguar a denúncia, assim como notificar a empresa do desmatamento iniciado. A carta foi enviada à Secretaria do Meio Ambiente (Sema), ao Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) e à Coordenadora Executiva da Coordenação de Desenvolvimento Agrário da Bahia, que regula a questão fundiária no estado, no dia 1 de setembro, mas, até hoje, não teve resposta.

Sem apoio 
O presidente da Associação Comunitária da Comunidade Geraizeira de Cachoeira, morador Jossone Leite, que é vizinho da Fazenda Estrondo, diz que desde 1994 que o grupo se estabelece de forma ativa na região. “Eles começaram, desde então, a desmatar e foram avançando cada vez mais. Já não tem mais Cerrado. A gente já fez contato com o Inema, cobramos não sei quantas vezes, mas disseram que está tudo legal. E a gente fica aqui sem receber apoio”, narra Leite.

De acordo com o morador, o conflito entre eles está mais calmo. Porém, ele espera ter a terra de volta, direito reconhecido pelo STJ. “O Cerrado é tudo para a gente, representa nossa vida, a gente depende dele para sobreviver. Se acabar com ele, a gente não tem fonte de renda”, esclarece Leite. As famílias que moram ali vivem de subsistência e vendem o excedente, como frutas e criação de gado.

Quase 2 mil campos de futebol desmatados por mês 
Informações do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostram que quase 103 milhões de hectares do Cerrado foram desmatados, no Brasil, até 2020. Na Bahia, foram mais de 6 milhões de hectares. Ou seja, o desmatamento no território baiano corresponde a 5,8% do desflorestamento nacional. Ainda não há dados sobre o desmatamento em 2021.

No caso de Formosa do Rio Preto, são 33 mil hectares desmatados, entre maio de 2019, quando a Fazenda Estrondo recebe a ASV do Inema, e dezembro de 2020. Isso dá uma média de 1.941 campos de futebol desmatados por mês. Os números são do sistema de Dados utilizados no programa de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter) do Inpe. Segundo o instituto, a região vem sendo monitorada desde 2018.

Perda da biodiversidade 
Considerado a savana brasileira, o Cerrado é o bioma mais biodiverso do planeta, de acordo com o presidente e fundador da Organização sem Fins Lucrativos (ONG) Save Cerrado, Paulo Bellonia. A ONG atua na recuperação e preservação de áreas críticas desse ecossistema. O pesquisador e ativista diz que, a cada 40 segundos, o equivalente a um campo de futebol foi desmatado no Cerrado, no Brasil, em 2020. Isso o torna o bioma o mais desmatado do país, proporcionalmente.

“É considerado um hotspot mundial, que são áreas com alta concentração de biodiversidade e ameaçadas de extinção. Para se ter uma ideia do tamanho da ameaça, somente 2,3% da área do planeta é considerada hotspot, e essas áreas detém 60% da biodiversidade terrestre. São diversos conteúdos demonstrando, internacionalmente, a preocupação e atenção com o Cerrado no Brasil”, afirma Bellonia.

O biólogo Domingos Cardoso, doutor em botânica e professor da Universidade Federal da Bahia (Ufba), que esteve na Fazenda Estrondo, em 2009, demonstra-se inconformado com a situação. “Além da diversidade de plantas, pudemos coletar espécies novas, que nunca tinham sido coletadas. Infelizmente, o nível de destruição do Cerrado na Bahia chegou a números alarmantes. Se eu voltasse hoje, não veria a mesma exuberância”, conta.

O pesquisador ressalta que a importância do Cerrado vai além da fauna e flora. “As pessoas não têm consciência, pensam que, por ser vegetação baixa e não serem árvores grandes, já está destruído. Mas o Cerrado tem valores imensos, é um grande reservatório, de onde sai um monte de nascente, que irriga bacias. É muito mais frágil e perigoso para a sustentabilidade, ainda mais nesse contexto de crise hídrica”, esclarece. Segundo ele, a Amazônia tem 11.903 espécies de plantas com flores. Já o cerrado, que tem área bem menor, tem 12.025.

Multa e trabalho análogo à escravidão 
Uma das 14 empresas donas da Fazenda Estrondo, a Companhia Melhoramentos do Oeste da Bahia (CMOB), já foi inclusive multada no valor de mais de R$ 25 milhões pelo Inema por desmatamento ilegal, em 2014. O documento indica que a empresa desmatou, a corte raso, mais de 25 mil hectares de vegetação nativa do Cerrado, fora de reserva legal, sem autorização do órgão ambiental competente.

Outra polêmica envolvendo a Fazenda foi, em 2005, quando uma operação do Ministério Público do Trabalho (MPT) resgatou 91 trabalhadores em condições análogas à escravidão em duas fazendas da Estrondo, a Indiana e a Austrália. Na primeira, 52 pessoas colhiam algodão em condições precárias. Na segunda, 39 funcionários recebiam R$ 60 por mês na produção de soja.

Além das 14 empresas, existem 41 arrendatários da Estrondo, segundo o site da cooperativa. Dentre eles, investidores até do Japão. A produção da fazenda é dividida em nove sedes, fabricantes de milho, soja e algodão.

O que dizem os órgãos oficiais 
A Secretaria do Meio Ambiente da Bahia (Sema) informou que a responsabilidade de responder às perguntas do CORREIO é do Inema. O Inema teve mais de 30 dias para responder, mas não se posicionou, assim como a prefeitura de Formosa do Rio Preto.

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) disse nunca ter concedido direito à terra a empresas e tampouco ajudou-as a conseguirem as ASVs, porque não tem competência para tal. A PGE acrescentou ainda que moveu uma ação discriminatória para que a área ocupada pela Estrondo se constitua como “terras devolutas estaduais”.

O órgão ainda reiterou que “respeita a decisão judicial que reconheceu a posse das comunidades geraizeiras e, juntamente com os Ministérios Públicos Estadual e Federal, está trabalhando para uma solução consensual do conflito existente entre as comunidades geraizeiras e o Condomínio Estrondo, com a manutenção das comunidades em suas posses tradicionais”, conclui.

O STJ disse que o processo ainda não transitou em julgado e que o agravo de instrumento, requerido por duas empresas da Estrondo, a Colina Paulista e a Delfin Rio S/A Crédito Imobiliário, está com recurso pendente de julgamento.

“Encontra-se concluso ao relator, ainda sem data prevista de julgamento”, declarou o órgão, pela assessoria de imprensa. Sobre as perguntas, o tribunal respondeu que “o Judiciário age conforme provocado. Não cabe à assessoria de imprensa do STJ analisar cenários e confrontá-los com decisões que tenham sido proferidas pelo Tribunal”, acrescenta.

As partes 
O advogado Maurício Correia, coordenador executivo da Associação dos Advogados de Trabalhadores Rurais (AATR) alega que o caso é típico de grilagem verde. “A empresa usurpa domínios alheios para fingir a regularidade ambiental de determinado imóvel”, assegura. Na carta aberta, as associações pontuam que as decisões judiciais que reconhecem a posse das comunidades da área da ASV foram ignoradas.

Advogado da empresa Delfin, umas das donas da Fazenda Estrondo, Bruno Bittar acredita que haja uma ganância dos povos tradicionais para adquirirem a posse das terras. “Em certos momentos, eles alegam ser povos tradicionais, mas, quando o Ministério Público foi dar o direito às terras, eles queriam as escrituras individuais. Tanto é que, no início, eram 11 famílias e, hoje, são 150. Eles estão vendo oportunidade e colocando a empresa, que tem a escritura há mais de 40 anos, como vilã”, defende Bittar.

Informações ainda apontam que o Inema teria notificado a Delfin a prestar esclarecimentos, mas o endereço para a entrega de correspondência é do Rio de Janeiro e as notificação não são entregues.

Em nota, a Delfin Rio S/A disse que possui licença legal emitida pelo Inema desde 2015, “tendo inclusive, recebido parecer favorável do Ministério Público da Bahia quanto à legalidade da emissão da licença pelo órgão ambiental, em 2018, quando houve questionamentos semelhantes por parte de terceiros”, informa. Segundo a empresa, a ligação dos vales do Rio Preto e Rio Riachão continua mantida, e a supressão ocorrerá apenas em uma parte da área da Chapada, “com a preservação da vegetação integral dos vales”.

A Delfin ainda comunicou que, apesar de, por lei, poder suprimir até 80% da área em questão, planeja desmatar 34,2%. “O que aparece nas imagens são aberturas dos corredores para afugentamento da fauna, que estão sendo acompanhadas por uma equipe multidisciplinar obedecendo as condições da licença ambiental”, adiciona. A empresa argumentou que tem amparo legal desde 1981, com registros no Cartório de Registro de Imóveis, Receita Federal, Incra e em cadastros ambientais.

*Sob orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro


AL-BA quer contratar agência de viagens para gerenciar deslocamentos por vias aéreas


Foto: Divulgação  

Por: João Brandão

A Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) abriu uma licitação para contratar uma espécie de agência de viagens por vias aéreas, conforme publicação no Diário dos Legislativo estadual desta terça-feira (5).

O objetivo é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fornecimento de passagens aéreas, de todas as empresas, incluindo reserva de lugares, emissão, marcação/remarcação, desdobramento, substituição, revalidação, cancelamento e reembolso de passagens.

A licitação será feita de forma mista (presencial e por videoconferência), da sala de licitações, na Casa.


Governo federal deixa de repassar R$ 34 mi para SSP da Bahia em 2021


Foto: Carol Garcia / GOVBA

por Anderson Ramos

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) está em débito com a Secretária de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA). A pasta chefiada por Anderson Torres ainda não repassou R$ 34 milhões de verbas para a SSP referentes ao ano de 2021.

A maior parte desse valor se refere ao Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP). Em nota enviada ao Bahia Notícias, o MJSP informou que ainda faltam repassar R$ 28.363.712,16 à Bahia, mas garantiu que a transferência será feita até o final do prazo, que vence em 31 de dezembro.

O ministério ressaltou que em maio, houve um desbloqueio de R$ 30.118.961,00. Ao todo, o estado tem direito a R$ 59 milhões de verba do FNSP, que tem como objetivo financiar junto aos Estados a estruturação do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP). Vinculado nacionalmente ao MJSP, o SUSP foi instituído pela Lei 13.675, sancionada em 11 de junho de 2018 (veja mais).

Além disso, o governo federal ainda deve a quantia de R$ 5.690.502,18 referente ao convênio de número 891327/2019, firmado entre os órgãos. Ainda de acordo com o ministério, os valores são repassados conforme o andamento da execução de cada um deles.

Ao BN, a SSP-BA disse que, quando os valores forem pagos, os investimentos ocorrerão na ampliação do atendimento psicológico para policiais e bombeiros, aquisições de softwares para ações de inteligência e perícia e equipamentos para as Bases Comunitárias.