Deputado Alex Lima anuncia pausa na política para cuidar da saúde mental


Foto: Arquivo Pessoal  

Por: Luiz Fernando Lima

O deputado estadual Alex Lima (PSB) convidou a imprensa para anunciar que não será candidato à reeleição em 2022. O parlamentar, que está no seu segundo mandato e dobrou a votação do primeiro para o último, não sai de cena por estar vencido ou pela possibilidade de derrota eleitoral. Estas circunstâncias são as mais corriqueiras, mas no caso de Alex Lima a decisão foi tomada para enfrentar outras questões: o transtorno do deficit de atenção e hiperatividade e a depressão.

É preciso falar sobre isso

Em um depoimento que causou comoção aos jornalistas habituados a cobrir a Casa Legislativa, Alex baixou a guarda e apresentou algumas das situações mais complexas da condição do ser político. Ao relator a sua batalha contra estas doenças, o parlamentar não deixou de ressaltar que tem o privilégio de poder ter acompanhamento médico. Algo que muitos não têm.

Complexo

Não há uma tabulação de informações referentes a transtorno e tampouco a respeito da depressão nos sites oficias do ministério da Saúde e secretarias estaduais e municipais da Saúde. As informações sobre estes casos, além dos transtornos de ansiedade, são ainda muito rasas e é preciso debater o assunto com mais profundidade. O deputado traz o tema para a pauta quando faz o que fez nesta terça-feira (5) e se comprometeu a aprofundar o debate sobre o assunto. A sociedade agradece. Em tempos de pandemia não foram poucos os relatos de pessoas que passaram por situações complicadas com questões psicológicas e psiquiátricas.

LEIA TAMBÉM: “PSB não é um partido de projeto pessoal”, rebate Lídice sobre comentário de Nilo

Sociedade

Durante a coletiva, um jornalista, visivelmente emocionado, trouxe o relato de quem também passou por maus bocados em função de outro transtorno psiquiátrico que acomete um sem número de pessoas e que é cercado de preconceito e inabilidade para se lidar. O transtorno obsessivo-compulsivo. É preciso falar sobre o assunto e apresentar soluções para que possamos conviver melhor em uma sociedade tão complexa.

Sobre a saída

Voltando à política, o cenário baiano perde um parlamentar jovem que vem desempenhando uma função de pensar a política antenado com as novas gerações. Em um cenário decrépito, inclusive mundialmente, é contraproducente que os quadros jovens deixem de participar ativamente da política eleitoral. Esperamos que Alex volte logo ao front e que estimule outros a enfrentar suas dificuldades de forma transparência e corajosa. Quebrar os tabus nunca é a missão das mais fáceis.

O fantástico mundo

O ministro da Cidadania, João Roma (Republicanos), continua pavimentando o caminho para coordenar o palanque bolsonarista na Bahia. Aposta alto e quando o cenário parece desfavorável, dobra a aposta. Em atos de fé e trabalho, Roma dá declarações e crava que o governo tem o que apresentar à sociedade baiana.

De Bob ou Roma

Em entrevista à Tribuna da Bahia, João Roma afirmou a respeito da eleição estadual do próximo ano: teremos esse confronto e as pessoas vão poder escolher entre o projeto de Bolsonaro, que tem garantido nossa liberdade, modernizado o Estado brasileiro, fortalecido os programas sociais, o que se potencializa com o Auxílio Brasil, além de levar investimento na ponta, melhorando a vida das pessoas.
A pergunta que fica é: onde fica este lugar?